Salmo

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Propósito de Deus para a Família

"Se o Senhor não edificar a casa, em vão trabalham os que a edificam; Se o Senhor não guardar a cidade, em vão vigia a sentinela" (Salmo 127:1).
Deus nos criou e designou o casamento e a família como a mais fundamental das relações humanas. Em nosso mundo de hoje em dia, vemos famílias atormentadas pelo conflito e arrasadas pela negligência e o abuso. O divórcio tornou-se uma palavra comum, significando miséria e dureza para os múltiplos milhões de suas vítimas. Muitos homens jamais aprenderam a ser esposos e pais devotados. Muitas mulheres estão fugindo de seus papéis dados por Deus. Pais que não têm nenhuma idéia de como preparar seus filhos estão assim perturbados pelo conflito com seus rebentos rebeldes. Outros simplesmente abandonam seu dever, deixando filhos sem qualquer preparação ou provisão.
Para muitas pessoas, hoje em dia, a frase familiar e confortadora "Lar, Doce Lar" não é mais do que uma ilusão vazia. Não há nada doce ou seguro num lar onde há o abuso, a traição e o abandono.
Haver  uma solução? Poderemos evitar tais tragédias em nossas famílias? Poderão os casais jovens manter o brilho do amor e do otimismo décadas depois de fazerem os votos no casamento? Haverá esperança de recuperação dos terríveis erros do passado?
A resposta para todas estas perguntas é SIM! As soluções raramente são fáceis. A construção de lares sólidos não acontece por pura sorte. Somente pelo retorno ao padrão de Deus para nossas famílias poderemos começar a entender as grandes bênçãos que ele preparou para nós em lares construídos sobre a rocha sólida da sua palavra. Consideremos brevemente alguns princípios básicos ensinados na Bíblia sobre a família.

O Propósito Básico de Deus para a Família

Quando temos dificuldade com a geladeira, entendemos que o fabricante, que escreveu o manual do usário, sabe mais sobre o aparelho do que nós. Lemos o manual para resolver o problema. Quando vemos tantos problemas nas famílias de hoje, só faz sentido que nosso Criador, que escreveu o "manual do usuário", sabe mais a respeito da família do que nós. Precisamos ler o manual para achar como construir e manter bons lares. Encontramos estas instruções na Bíblia. Ela nos guia em cada aspecto do serviço a ele, incluindo a realização de nossos papéis na família.
Casamento
A família começa com o casamento. Quando Deus criou Adáo e Eva, ele revelou seu plano básico para o casamento: "Por isso, deixa o homem pai e mãe e se une à sua mulher, tornando-se os dois uma só carne" (Gênesis 2:24). Este plano é claro. Um homem ligado a uma mulher. Milhares de anos mais tarde, Jesus afirmou que este ainda é o plano de Deus. Ele citou este versículo e acrescentou: "Portanto, o que Deus ajuntou não o separe o homem" (Mateus 19:6). Este casamento é uma relação para toda a vida. Somente a morte deve cortar este laço (Romanos 7:1-3).
Deus aprovou as relações sexuais somente dentro do casamento. Não há nada de mal ou impuro sobre as relações sexuais dentro de um casamento aprovado por Deus (Hebreus 13:4). Esposos e esposas têm a responsabilidade de satisfazer os desejos sexuais (dados por Deus) aos seus companheiros (1 Coríntios 7:1-5).
Todas as outras relações sexuais são sempre e absolutamente erradas. Relações sexuais entre pessoas do mesmo sexo são absolutamente proibidas por Deus (Romanos 1:24-27; 1 Coríntios 6:9-11). Deus não criou Adão e João. Ele fez uma mulher, Eva, como uma parceira apropriada para Adão. As relações sexuais antes do casamento, mesmo entre pessoas que pretendem se casar, são condenadas por Deus (1 Coríntios 7:1-2, 8-9; Gálatas 5:19). As relações sexuais extra-conjugais são também claramente proibidas (Hebreus 13:4).
Filhos
Casais assim unidos diante de Deus pelo casamento gozam o privilégio de terem filhos. Deus ordenou a Adão e Eva e aos filhos de Noé que tivessem filhos (Gênesis 1:28; 9:1). Ainda que nem todas as pessoas tenham que se casar, e que nem todas terão filhos, é ainda o plano básico de Deus que os filhos nasçam dentro de famílias, completas com pai e mãe (1 Timóteo 5:14). Em lugar nenhum da Bíblia encontramos autorização para uma mulher ter relações sexuais para conceber um filho, antes ou sem casamento. A paternidade solteira, que está se tornando moda em nossa sociedade moderna é um afastamento do plano de Deus que terá  sérias conseqüências para as gerações vindouras.

Papéis Dados por Deus Dentro da Família

Dentro desta estrutura do propósito Divino, consideremos os papéis que Deus atribuiu aos homens, mulheres e filhos.
Homens: Esposos e Pais
A responsabilidade dos esposos é bem resumida em Efésios 5:25: "Maridos, amai vossa mulher, como também Cristo amou a Igreja e a si mesmo se entregou por ela". O esposo tem que colocar as necessidades de sua esposa acima das suas próprias, mostrando devoção desprendida aos melhores interesses da "parte mais frágil" que necessita da sua proteção. Ele tem que trabalhar honestamente para prover as necessidades da família (2 Tessalonicenses 3:10-11; 1 Timóteo 5:8).
Os pais são especialmente instruídos por Deus para preparar seus filhos na instrução e na disciplina do Senhor (Efésios 6:4). Este é um trabalho sério e, às vezes, difícil, mas com resultados eternos! Os espíritos de seus filhos existirão eternamente, ou na presença de Deus ou separados dele. A maior meta de um pai para seus filhos deveria sempre ser a salvação eterna deles.
Mulheres: Esposas e Mães
Uma esposa tem um papel muito desafiador no plano de Deus. Ela tem que complementar seu esposo como uma auxiliar submissa, que partilha com ele as experiências da vida. As pressões da sociedade moderna para rejeitar a autoridade masculina não obstante, a mulher devota aceita seu papel como aquela que é cuidadosamente submissa ao seu esposo (Efésios 5:22-24; 1 Pedro 3:1-2). As mulheres de hoje em dia que rejeitam este papel dado por Deus estão na realidade difamando a palavra dele (Tito 2:5).
Deus instrui as mulheres para mostrarem terna afeição aos seus esposos e filhos, e a serem honestas e fiéis donas de casa (Tito 2:4-5). Apesar dos esforços de algumas pessoas para desvalorizar o papel das mulheres que são dedicadas a suas famílias, Deus tem em alta estima a mulher que é uma boa dona de casa e uma amorosa esposa e mãe. Tais mulheres devotas são também dignas de respeito e apreciação de seus esposos e filhos (Provérbios 31:11-12,28).
Filhos: Seguidores Obedientes
Deus também definiu o papel dos filhos. Paulo revelou em Efésios 6:1-2 que os filhos deverão:
1. Obedecer a seus pais. Deus colocou os pais nesta posição de autoridade e os filhos têm que respeitá-los. Muitas pessoas consideram a rebeldia de uma criança como uma parte comum e esperada do "crescimento", mas Deus coloca-a na lista com outros terríveis pecados contra ele (2 Timóteo 3:2-5).
2. Honrar seus pais. Os pais que sustentam, instruem e preparam seus filhos devem ser honrados. Jesus mostrou que esta honra inclui prover as necessidades dos pais idosos (Mateus 15:3-6).

Lares Piedosos Nestes Dias?

É, freqüentemente, muito difícil corrigir anos ou mesmo gerações de erros. Mas está claro que o único modo pelo qual podemos esperar ter boas famílias construídas nos princípios divinos é voltar ao plano que Deus tem revelado. Temos que estudar a Bíblia, aprender estes princípios, aplicá-los em nossas vidas, e ensiná-los aos nossos filhos e aos outros. Lembre-se, os benefícios serão eternos!
Você está construindo seu lar sobre a fundação da palavra de Deus?
- por Dennis Allan

domingo, 19 de outubro de 2014

Quais são os diferentes nomes de Deus e o que significam?











Pergunta: "Quais são os diferentes nomes de Deus e o que significam?"

Resposta:
Cada um dos muitos nomes de Deus descreve um aspecto diferente do seu caráter multifacetado. Aqui estão alguns dos nomes mais conhecidos de Deus na Bíblia:

EL, ELOAH: Deus "poderoso, forte, proeminente" (Gênesis 7:1, Isaías 9:6) - etimologicamente, El parece significar "poder", como em "Tenho o poder para prejudicá-los" (Gênesis 31:29). El é associado com outras qualidades, tais como integridade (Números 23:19), zelo (Deuteronômio 5:9) e compaixão (Neemias 9:31), mas a raiz original de ‘poder’ continua.

ELOHIM: Deus "Criador, Poderoso e Forte" (Gênesis 17:7; Jeremias 31:33) - a forma plural de Eloah, a qual acomoda a doutrina da Trindade. Da primeira frase da Bíblia, a natureza superlativa do poder de Deus é evidente quando Deus (Elohim) fala para que o mundo exista (Gênesis 1:1).

EL SHADDAI: "Deus Todo-Poderoso", "O Poderoso de Jacó" (Gênesis 49:24; Salmo 132:2,5) - fala do poder supremo de Deus sobre todos.

ADONAI: "Senhor" (Gênesis 15:2; Juízes 6:15) - usado no lugar de YHWH, o qual os judeus achavam ser sagrado demais para ser pronunciado por homens pecadores. No Antigo Testamento, YHWH é mais utilizado em tratamentos de Deus com o Seu povo, enquanto que Adonai é mais utilizado quando Ele lida com os gentios.

YHWH / YAHWEH / JEOVÁ: "SENHOR" (Deuteronômio 6:4, Daniel 9:14) - a rigor, o único nome próprio para Deus. Traduzido nas bíblias em português como "SENHOR" (com letras maiúsculas) para distingui-lo de Adonai, "Senhor". A revelação do nome é primeiramente dada a Moisés "Eu sou quem eu sou" (Êxodo 3:14). Este nome especifica um imediatismo, uma presença. Yahweh está presente, acessível, perto dos que o invocam por livramento (Salmo 107:13), perdão (Salmo 25:11) e orientação (Salmo 31:3).

JEOVÁ-JIRÉ: "O Senhor proverá" (Gênesis 22:14) - o nome utilizado por Abraão quando Deus proveu o carneiro para ser sacrificado no lugar de Isaque.

JEOVÁ-RAFA: "O Senhor que sara" (Êxodo 15:26) - "Eu sou o Senhor que te sara", tanto em corpo e alma. No corpo, através da preservação e da cura de doenças, e na alma, pelo perdão de iniquidades.

JEOVÁ-NISSI: "O Senhor é minha bandeira" (Êxodo 17:15), onde por bandeira entende-se um lugar de reunião antes de uma batalha. Esse nome comemora a vitória sobre os amalequitas no deserto em Êxodo 17.

JEOVÁ-MAKADESH: "O Senhor que santifica, torna santo" (Levítico 20:8, Ezequiel 37:28) - Deus deixa claro que apenas Ele, e não a lei, pode purificar o Seu povo e fazê-los santos.

JEOVÁ-SHALOM: "O Senhor nossa paz" (Juízes 6:24) - o nome dado por Gideão ao altar que ele construiu após o Anjo do Senhor ter-lhe assegurado de que não morreria como achava que morreria depois de vê-lO.

JEOVÁ-ELOIM: "Senhor Deus" (Gênesis 2:4, Salmo 59:5) - uma combinação do singular nome YHWH e o nome genérico "Senhor", significando que Ele é o Senhor dos senhores.

JEOVÁ-TSIDIKENU: "O Senhor nossa justiça" (Jeremias 33:16) - Tal como acontece com Jeová-Makadesh, só Deus proporciona a justiça para o homem, em última instância, na pessoa de Seu Filho, Jesus Cristo, o qual tornou-se pecado por nós "para que nele fôssemos feitos justiça de Deus" (2 Coríntios 5:21).

JEOVÁ-ROHI: "O Senhor nosso Pastor" (Salmo 23:1) - Depois de Davi ponderar sobre seu relacionamento como um pastor de ovelhas, ele percebeu que era exatamente a mesma relação de Deus com ele, e assim declara: "Yahweh-Rohi é o meu Pastor. Nada me faltará" (Salmo 23:1).

JEOVÁ-SHAMMAH: "O Senhor está ali" (Ezequiel 48:35) - o nome atribuído a Jerusalém e ao templo lá, indicando que o outrora partida glória do Senhor (Ezequiel 8-11) havia retornado (Ezequiel 44:1-4).

JEOVÁ-SABAOTH: "O Senhor dos Exércitos" (Isaías 1:24, Salmos 46:7) - Exércitos significa "hordas", tanto dos anjos quanto dos homens. Ele é o Senhor dos exércitos dos céus e dos habitantes da terra, dos judeus e gentios, dos ricos e pobres, mestres e escravos. O nome expressa a majestade, poder e autoridade de Deus e mostra que Ele é capaz de realizar o que determina a fazer.

EL ELIOM: "Altíssimo" (Deuteronômio 26:19) - derivado da raiz hebraica para "subir" ou "ascender", então a implicação refere-se a algo que é muito alto. El Elyon denota a exaltação e fala de um direito absoluto ao senhorio.

EL ROI: "Deus que vê" (Gênesis 16:13) - o nome atribuído a Deus por Agar, sozinha e desesperada no deserto depois de ter sido expulsa por Sara (Gênesis 16:1-14). Quando Agar encontrou o Anjo do Senhor, ela percebeu que tinha visto o próprio Deus numa teofania. Ela também percebeu que El Roi a viu em sua angústia e testemunhou ser um Deus que vive e vê tudo.

EL-OLAM: "Deus eterno" (Salmo 90:1-3) - A natureza de Deus não tem princípio, fim e nem quaisquer limitações de tempo. Deus contém dentro de Si mesmo a causa do próprio tempo. "De eternidade a eternidade, tu és Deus."

EL-GIBOR: "Deus Poderoso" (Isaías 9:6) - o nome que descreve o Messias, Jesus Cristo, nesta porção profética de Isaías. Como um guerreiro forte e poderoso, o Messias, o Deus Forte, vai realizar a destruição dos inimigos de Deus e governar com cetro de ferro (Apocalipse 19:15).






 


Tempo de vitórias

 


-Elias era humano como nós. Ele orou fervorosamente para que não chovesse, e não choveu sobre a terra durante três anos e meio.
Tiago 5:17

Orou outra vez, e os céus enviaram chuva, e a terra produziu os seus frutos.
Tiago 5:18

Pedi ao SENHOR chuva no tempo da chuva serôdia, sim, ao SENHOR que faz relâmpagos; e lhes dará chuvas abundantes, e a cada um erva no campo.

Zacarias 10:1

Chuvas de bençãos

 




Farei descer a chuva a seu tempo, serão chuvas de bênção.”(Ez 34.26.)



“Farei descer… chuvas de bênção” — Deus manda todo tipo de bênçãos. O poder criador e criativo de Deus é ilimitado, Ele pode, e deseja, derramar sobre nós, torrentes de bênçãos. Bençãos que ansiamos, bênçãos que nem imaginamos…Bençãos sem fim vindas de um Deus de incalculável amor e graça.

Orar e confiar

 


 Muitas vezes, sentimos que estamos desanimados e descontentes com a vida. E a razão para esses sentimentos, muitas vezes, é o estresse do cotidiano. Quando nos sentimos assim, sem ânimo para nada, com muito desânimo e sem esperança de dias melhores, devemos rever a nossa vida, os nossos atos e termos esperança e fé de que a vida irá melhorar, e que todos esses sentimentos são passageiros.
Orar e confiar na bondade de Deus é muito importante, pois Ele nos ama acima de qualquer coisa e deseja o nosso bem e a nossa felicidade. Quando estiver desanimado com a vida, lembre-se que Deus é o nosso pai e ama todos os seus filhos de forma incondicional, por essa razão, ele nunca vai nos abandonar. Peça a Deus que te ajude a superar os momentos difíceis que você está passando, pois com certeza, ele irá te ajudar a ser mais feliz.

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

O Senhor esta perto dos que invocam



 
 
O Senhor está perto de todos os que o invocam, de todos os que o invocam com sinceridade. Salmo 145.18NVI
Este salmo contém uma promessa incrível: O Senhor está perto daqueles que o invocam! Ele está ao lado daqueles que, em suas existências, possuem confiança em seu poder e cuidado. Para aqueles que precisam de socorro, paz, discernimento e direção. É bom saber que o Senhor está por perto, não é? É bom saber que Ele ouve as nossas suplicas, desabafos e anseios. É muito bom ter o Senhor perto de nós.
O texto prossegue fazendo uma afirmação que completa a afirmação anterior: “... de todos os que invocam com sinceridade.” Na verdade, a base da oração é a sinceridade. É com a sinceridade que realmente creio na provisão e sustento de Deus. Ou seja, somente com sinceridade tenho fé. E essa fé me leva a crer que minha súplica não é simplesmente palavras proferidas ao “ar” ou autoafirmações em minha mente. A oração é uma constatação de um Deus presente e que nos presenteia com a sua presença. Portanto, o Senhor está sempre perto de todos aqueles que o invocam com sinceridade. Desafio você a estar perto de Deus assim.
Pr. Alonso Júnior

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

Reação nas aflições

 
 
3
Por: Rev. Paulo Sergio da Silva
Culto de Louvor 04.08.13
“Muitas são as aflições do justo, mas o SENHOR de todas o livra.” Salmos 34:19.
Você já enfrentou a tragédia? Como reagir e vencer aquelas situações que certamente nos advirão? As lutas virão, enfermidades poderão nos alcançar, problemas e dificuldades de toda sorte, seja de ordem material, como um desemprego, por exemplo; ou de ordem emocional, conjugal, familiar, pessoal. É nessa hora que ficamos mais vulneráveis às tentações. Sofrimentos existem, e a Palavra nos alerta que “muitas são as aflições do justo, mas o Senhor de todas o livra” (Sl 34:19); e que nesse mundo teremos aflições, mas devemos ter bom ânimo, Jesus está conosco (Jo 16:33).
Isso certamente ocasiona o nosso sofrimento… Para vencer esses sofrimentos e tragédias da alma temos que buscar praticar três coisas básicas.
1 – FORTALECIMENTO
“Quanto ao mais, sede fortalecidos no Senhor e na força do Seu poder.” Efésios 6:10.
Procure não se deixar abater diante das situações que consideramos trágicas, sejam elas quais forem. O risco é o enfraquecimento e o esfriamento espiritual.
Observemos por exemplo quantos estão fora das Igrejas porque começaram a se engraçar com o mundo e acabaram ficando por lá. Tornaram-se desertores, traidores, cegos, iludidos, abandonaram o Senhor, “nunca foram dos nossos”. A história poderia ser diferente, e isso dói na gente, sofremos e por vezes ficamos deprimidos até choramos. Esse sentimento é normal, porque amamos e não queremos que ninguém vá para o inferno, e como é triste ver bancos vazios nos cultos e reuniões. Mas temos que ser fortes e até ter um pouco de “sangue frio”, encarando a situação com uma boa dose de controle emocional, senão ficaremos abatidos de espírito e poderemos nos desanimar também. Se um cirurgião não tiver essa frieza e controle emocional, jamais cortará a carne do paciente com o bisturi, não pegará seus órgãos internos com as próprias mãos, não costurará a carne após a realização da cirurgia. Semelhantemente estamos lidando com pessoas enfermas na fé, e precisamos ser usados por Deus da maneira correta, confiantes de que Ele realiza a Sua obra.
PERSEVERANDO NO AMOR E NO PODER DE DEUS
Não podemos deixar de amar, que seria o maior sinal de nosso enfraquecimento espiritual. Em contrapartida, o amor de Deus deve fluir em nós como um sinal de Sua presença em nós, e de Seu fortalecimento. Jesus suportou Seus discípulos mesmo conhecendo as fraquezas de cada um deles. Por que Ele suportou suas fraquezas? Porque amou! O Senhor sabe quem somos, e não somos melhores do que os outros, não somos melhores do que Pedro, Paulo, João, Tiago, Tomé… Se há algo de bom em nós é obra de Cristo, e se a graça e o amor de Deus fossem retirados de nós, não sobraria nada que pudesse nos salvar, estaríamos condenados ao inferno de fogo. Portanto o amor é essencial para a nossa sobrevivência na fé; e o amor trará consigo e produzirá em nós as virtudes que necessitamos para não nos enfraquecermos.
Se perseverarmos, estamos apenas fazendo o nosso dever, e os méritos são de Cristo, não nossos. Em um pequeno de exercício de memória nos recordaremos de fases difíceis pelas quais passamos e Deus nos levantou, nos tirou do lamaçal, nos transformou de dentro para fora, nos mostrou o Caminho. Por isso, o amor e a compaixão devem estar sempre presentes em nossos corações, não barateando a graça, mas demonstrando que nossos braços estão abertos, que não estamos lançando pedras, mas estamos orando e desejando que estes irmãos deixem as coisas do mundo, se santifiquem e se apeguem a Cristo, à Bíblia, à oração e à obra de Cristo.
Portanto, ser forte em Cristo é mais que palavras, mas a manifestação dessas virtudes: controle emocional, fé, esperança, perseverança, compaixão e amor.
2 – DESCANSO
“Deitar-me faz em verdes pastos, guia-me mansamente a águas tranquilas.” Salmos 23:2.
Aprendi a descansar o coração na soberana eleição de Deus e em Sua providência. Deus nunca falha! Muitos que estão nas Igrejas não são salvos, e talvez nem sejam eleitos. Outros que jamais pisaram em uma Igreja se converterão. Alguns que estão brincando com o pecado e se enlameando no mundo, vão “cair na real” e deixarão essas coisas para trás; outros vão sair da Igreja mesmo. Alguns voltarão, outros não. Alguns que parecem ser firmes abandonarão a fé, e talvez retornarão arrependidos um dia; outros não. Então, a obra não é nossa, mas de Deus. E se não é nossa, não devemos nos preocupar demasiadamente com isso, mas confiar e descansar em Deus, porque Ele está no controle. Houve uma época em que eu tive dificuldades com esses que andam “meio lá, meio cá”; isso me entristecia sobremaneira, ao ponto de chegar à ansiedade. Graças a Deus essa fase passou, e hoje, quando me deparo com esses, descanso na confiança de que Deus está no controle! E a promessa é que de Seus eleitos não se perderá nenhum (João 10:28).
ELE É O TEU PASTOR?
Se Ele É o nosso Pastor, não podemos deixar que os problemas de percurso me entristeçam e me abatam, mas necessitamos estar sempre junto às fontes de águas vivas, onde encontramos o descanso que necessitamos para caminhar e prosseguir. Necessitamos estar sempre junto aos pastos verdejantes onde temos o alimento que nos fortalece.
Trabalhei em uma indústria, e o chefe do setor colocou uma placa na porta de seu escritório: “The Boss”. Significa “O Chefe”. Aquela placa trazia o seguinte recado: “Aqui quem manda sou eu!”, “Eu sou o cara” (rsss). E ninguém sequer ousava entrar naquela sala e dizer para o chefe que ele estava errado. Ai de quem fizesse isso, poderia ser demitido. Caia bem aquele ditado: “Quem pode manda, quem é inteligente obedece”. Nosso trabalho era simples comparado ao dele, e cada um cumpria os seus deveres, consciente de que ele, o chefe, era quase infalível. Essa política de privacidade do chefe existe em todos os setores, apesar de eventuais críticas. Gosto de lembrar dessa fase para fazer a seguinte comparação: se confiamos e obedecemos as ordens de chefes humanos, tendo em vista emprego e salário, porque não confiar em Deus? Deus é perfeito, não falha, é soberano para cumprir o que nos prometeu. A soberania nos dá segurança, e ninguém deve questionar Seus planos e ações. NEle podemos confiar plenamente. Nosso departamento, competências pessoais, nossa parte do acordo, do trato, da aliança, deve ser cumprido responsavelmente, e isso ocupará todo o nosso tempo e espaço.
Certamente a falta de descanso surge na falta de confiança. Então o descanso é fortalecido na medida em que praticamos a fé, confiando na competência divina.
3 – AVIVAMENTO
“Ouvi, SENHOR, a Tua Palavra, e temi; aviva, ó SENHOR, a Tua obra no meio dos anos, no meio dos anos faze-a conhecida; na Tua ira lembra-te da misericórdia.” Habacuque 3:2.
A melhor reação diante dessa tragédia deve ser a busca de um avivamento pessoal e eclesiástico, onde haja uma renovação de mentes e corações. A ausência de sentimentos na vida espiritual e na comunhão com Deus tem causado essa abstinência eclesiástica. Parece que temos nos tornado mecânicos, religiosos, frios, insensíveis ao Espírito Santo. A vida cristã é rotineira e cansativa somente para os que vivem e se portam assim diante do Eterno Deus. Mas observe como eles se mostram bem dispostos para passar a noite em uma festa, ou ir a um show, especialmente se for de música secular e profana. Essa disposição para o mal, para o pecado e não para Deus, é que ocasiona a entrada dos maus costumes no seio da Igreja. A busca por um avivamento trará mudanças de corações, mentes, costumes, vidas! Mas tem que começar em nós, individualmente, em nossa vida de comunhão com Deus (Mt 6:6).
A palavra avivamento tem sido mal interpretada por muitos. Associa-se a palavra avivamento a certos movimentos que ultimamente tem causado escândalos, maus-testemunhos e divisões em diversas Igrejas. Na minha concepção, avivamento é a busca de uma comunhão mais íntima com Deus, através da leitura e prática das Sagradas Escrituras, da oração e santificação. Lógico que ao nos aproximarmos mais e mais de Deus teremos nossas emoções impactadas pelo quebrantamento que o Senhor mesmo produz nos corações ávidos por Sua majestosa presença (Sl 51:17).
O avivamento espiritual é como fogo que consome o restolho, o lixo do pecado dos nossos corações, e nos purifica como ouro (Zc 13:9). O avivamento é como um vento, em que Deus sopra o Seu Espírito Santo, arrancando de nós as cinzas do esfriamento espiritual e tornando nossos corações em brasas vivas (At 2:2). O avivamento espiritual propicia a manifestação do poder de Deus, e Ele em Sua soberania realiza sinais e maravilhas, trazendo cura, libertação e salvação no meio de Seu povo. O avivamento espiritual renova a rol de membros da Igreja, pois aumenta gradativamente os novos convertidos.
Por falta de avivamento temos observado o esfriamento espiritual galopante em muitas Igrejas, o número de bancos vazios aumentando e o rol de membros diminuindo ano a ano. Para muitos isso é o sinal descrito em Mateus 24:12 “E, por se multiplicar a iniquidade, o amor de muitos esfriará”. De fato, esse é um os sinais iminentes do fim dos tempos. Mas a Bíblia também nos fala de outros sinais que acompanharão esses dias: Joel 2:28-32 e Isaías 44:3-5.
CONCLUSÃO
A vida tem seus altos (momentos de muita alegria) e baixos (momentos de tristeza). Que saibamos enfrentar os momentos ruins com a disposição de louvar e servir a Deus, buscando ser fortalecidos na força do Seu poder, encontrando o lugar de descanso e conforto que Ele nos proporciona em Sua graça, e sendo avivados no Espírito Santo, sem o qual jamais conseguiremos vencer.
Não sejamos derrotistas, mas creiamos que o melhor de Deus ainda está por vir.
Sem querer ser perfeccionista, porque todos somos pecadores, mas buscando a perfeição em Cristo Jesus.
SDG – A DEUS TODA GLORIA!!!